CONTENIDO ÁCIDO-BASE EN MATERIALES DIDÁCTICOS VIRTUALES

  • Alana Gonçalves Ferraz Docente Facultad de Filosofia, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto. Universidad de São Paulo.
  • Carolina Godinho Retondo Docente Facultad de Filosofia, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto. Universidad de São Paulo.

Resumen

El presente trabajo consistió en analizar la forma de presentación de los contenidos relacionados alconcepto ácido-base en animaciones, simulaciones y vídeos educativos disponibles en internet. Lainvestigación se basó en las siguientes cuestiones de búsqueda: ¿cómo el concepto de ácido-base esexplicado en herramientas didácticas virtuales?, ¿las herramientas didácticas virtuales auxilian al profesorde química y pueden ser usadas en clase?, ¿cómo?, ¿tales herramientas ayudan a los alumnos acomprender mejor o aprender el concepto de ácido-base? Se utilizó la metodología cualitativa debúsqueda con abordaje en análisis de contenido. Para tal análisis fueron creadas las categorías:contenido/texto, recursos de imagen, lenguaje, química, experimentación y evaluación, y subcategorías.Los análisis fueron hechos teniendo en consideración el referencial teórico de Edgar Morin, que abordauna relación existente entre escuela, tecnología y sociedad.Palabras-clave: Ácido-base. Herramientas didácticas virtuales. Química. Secundaria.

Biografía del autor

Alana Gonçalves Ferraz, Docente Facultad de Filosofia, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto. Universidad de São Paulo.
Lic. Química. Departamento de Química, Facultad de Filosofia, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto, Universidad de São Paulo. Av. dosBandeirantes, 3900 - Ribeirão Preto - Sao Paulo, Brasil. Email: carolgod@ffclrp.usp.br
Carolina Godinho Retondo, Docente Facultad de Filosofia, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto. Universidad de São Paulo.
Lic. Química. Mg. Química Orgánica. Docente Departamento Química. Facultad de Filosofía, Ciencias y Letras de Ribeirão Preto,Universidad de São Paulo. Brasil.

Citas

1. LACERDA, G. Alfabetização científica e
formação profissional. Educação e Sociedade, n.
60, p. 91-108, 1997.
2. PALANGANA, I. C; GALUCH, M. T. B; SFORNI, M.
S. F. Acerca da relação entre ensino, aprendizagem
e desenvolvimento. Revista Portuguesa
de Educação, Braga, v. 15, n. 001, p. 111-128,
2002.
3. BENITE, C. R. M. Evaluaciónde tecnologías
educacionales en la enseñanza de la química
nivel secundario. 2006. 79 f. Dissertação (Especialização
no Ensino de Ciências) – Instituto de
Biologia Roberto Alcântara.
4. GADOTTI, M. Perspectivas Atuais da Educação.
São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 2,
p. 3-11, 2000.
5. D O W B O R , L . E d u c a ç ã o, Te c n o l o g i a e
Desenvolvimento. In: BRUNO, L. (Org.). Educação
e Trabalho no Capitalismo Contemporâneo.
São Paulo: Atlas, 1996. p. 17- 40.
6. COX, K. K. Informática na Educação Escolar. 2ª
Edição. Campinas: Autores Associados, 2008.
125 p. (Polêmicas do nosso tempo).
7. GIORDAN, M. O papel da Experimentação no
ensino de ciências. Química Nova na Escola, n.
10, 1999.
8. FREITAS, N. K.; RODRIGUES, M. H. O livro
didático ao longo do tempo: A forma e o
conteúdo. Revista da Pesquisa, n. 1, v. 3.2008.
9. MORIN, E. Os Sete Saberes necessários à
Educação do Futuro. 8. Ed. São Paulo: Cortez,
2003. 116 p.
10. ______, E. Para sair do Século XX. Rio de Janeiro:
Nova Fronteira, 2009. 360 p.
11. TEIXEIRA, F. M. Fundamentos Teóricos que
envolvem a Concepção de Conceitos Científicos
na Construção do Conhecimento das
Ciências Naturais. Ensaio. v. 8, n.2, p. 121-131,
2006.
12. NÉBIAS, C. Formação dos conceitos científicos
e práticas pedagógicas. Interface. v.3, n.4, p.
133-140, 1999.
13. SCHROEDER, E. Conceitos Espontâneos e
C o n ce i to s C i e nt í f i co s : O p ro ce s s o d a
Construção Conceitual em Vygotsky. Atos de
Pesquisa em Educação. v.2, n.2, p. 293-318,
2007.
14. SCAFI, S. H. F. Contextualização do Ensino de
Química em uma Escola Militar. Química Nova
na Escola. v. 32, n. 3, 2010.
15. W A R T H A , E . J . ; A L Á R I O , A . F . A
Contextualização no Ensino de Química
através do Livro Didático. Química Nova na
Escola, n. 22, 2005.
16. CHASSOT, A. I. Catalisando transformações na
educação. Ijuí: Unijuí, 1993. 174 p.
17. SILVA, W. B.; DELIZOICOV, D. Problemas e
Problematizações: Implicações para o ensino
dos profissionais da saúde. Ensino, Saúde e
Ambiente, v. 1, n. 2, p. 14-28, 2008.
18. CASTILHO, D. L.; SILVEIRA, K. P.; MACHADO, A.
H. As Aulas de Química como Espaço de Investigação
e Reflexão. Química Nova na Escola. n. 9,
1999.
19. FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. Ed. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1987. 107 p.
20. SANTOS, S. M. O. Critérios para avaliação de
livros didáticos de Química para o Ensino Médio.
2006. 234 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante
em Ensino de Ciências) – Instituto de
Física, Universidade de Brasília, Brasília. 2006.
21. ARROIO, A. O audiovisual en la enseñanza de
quimica. In: XxiV EDEQ- ENCUENTRO DE
D E B AT E S S O B R E L A E N S E Ñ A N Z A D E
QUIMICA, 24., 2004, Caxias do Sul. Ats do XXIV
Encontro de Debates sobre o Ensino de
Química.Caxias do Sul: Universidade de Caxias
do Sul, 2004.
22. CASSIANO, W.S. Análise de imagens em livros
didáticos de Física. 2002. 126 p. Dissertação
(Mestrado em Educação) – Faculdade de
Educação, Universidade de Brasília, Brasília.
2002.
23. MACHADO, A. H.; MOURA, A. L. A. Concepções
sobre o papel da linguagem no processo de
elaboração conceitual em Química. Química
Nova na Escola, n. 2, p. 27-30, 1995.
Machado, Universidade do Estado do Rio de
Janeiro, Rio de Janeiro. 2006.
24. BRASIL. Secretaria de Educacion media y
tecnologia. Parâmetros Curriculares Nacionais
(Ensino Médio).
______, A. R. C. Reações Químicas. Química
Nova na Escola, n. 2, p. 7-9, 1995.
25. LOPES, A. R C. Livros Didáticos: Obstáculos
Verbais e Substancialistas ao Aprendizado da
Ciência Química. R. Bras. Es. Pedag., v. 74, n. 177,
p. 309-334, 1993.
26. NUNEZ, I, B.; RAMALHO, B. L; PEREIRA, J. E.; As
representações semióticas nas provas de
química no vestibular da Universidade Federal
do R io G rande do nor te ( B rasil): uma
aproximação à linguagem científica no ensino
de ciências naturais. Revista Ibero-americana de
Educação, n. 55, 2011.
27. ARROIO, A.; GIORDAN, M. O Vídeo Educativo:
Aspectos de la Organización de la Enseñanza.
Química Nova na Escola, n. 24, p. 8-11, 2006.
28. NASS, D. P. Gráficos como representações visuais
relevantes no processo ensino-aprendizagem:
uma análise de livros didáticos de química do
Ensino Médio. 2008. 237 f. Dissertação (Mestre
em Ciências) – Instituto de Química de São
Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos.
2008.
Publicado
2016-01-05
Sección
CONTRIBUCIONES INTERNACIONALES